segunda-feira, 1 de julho de 2013

Liga dos super-heróis: os enfermeiros e suas identidades secretas

Tenho dito para o Erik: "Sabe essas moças de branco, com touquinha, luvas e máscara, filho? Elas fazem parte da liga dos super-heróis. Quando alguma criança grita: 'Socorro, socorro', elas vestem esse disfarce e vem correndo, e são elas que mais salvam as vidas das criancinhas...! Elas usam essa identidade secreta de enfermeiras, mas na verdade, são todas super-heroínas".

Hoje escrevo para falar de um tema que atinge diretamente a saúde do Erik e de todas as crianças na condição dele. Cedo ou tarde, vai atingir cada um de nós...

Trata-se da jornada de trabalho dos enfermeiros. Eles cumprem 40h de trabalho semanal, em turnos de 12h. Acontece que, com salários abaixo da crítica, muitos deles trabalham em dois empregos... e cumprem 60, às vezes 80h de trabalho semanal, dobrando plantões e ficando 24h acordados, quando não 48h e até 72h. Essas são as condições de subemprego na área da saúde, vividas num Brasil do qual todos nos envergonhamos. São condições às quais os brasileiros, cada vez mais, não se sujeitam.

A enfermagem é uma profissão FUNDAMENTAL para o tratamento do câncer. São os enfermeiros, com especialização em oncologia, pós-graduação em quimioterapia e pediatria, que administram os remédios que salvam do câncer pacientes antes condenados à morte. São eles que, muitas vezes ao dia, checam os sinais vitais dos pacientes, identificam reações adversas ao tratamento, percebem a evolução da doença, mantém viva a esperança e confiança dos pacientes no tratamento, nos amparam nos momentos de desespero, fazem curativos, coletam sangue para exames, aplicam injeções, administram medicamentos (alguns desses remédios podem causar danos à saúde de quem os administra, à propósito) em doses e horários corretos, mantém atualizados os prontuários, fazem a manutenção de cateter, e socorrem os pacientes nas situações mais variadas: de uma diarréia na cama a uma crise de vômito, de uma convulsão a uma crise nervosa. Eles contém pacientes e acompanhantes, orientam, ajudam, puxam a orelha, são às vezes os melhores terapeutas que existem e, com certeza, envolvem-se emocionalmente com as pessoas que tratam. Sofrem junto. Comemoram junto. Estabelecem relação pessoal, percebem as dificuldades, intercedem para que sejam solucionadas. Resolvem da briga conjungal (fala sério, Enf. Patrícia!) ao problema técnico da NET (né, Enf. Ana Paula!). Quando não consertam chuveiros (né não, Enf. Izidro?). Eles realmente botam a mão na massa, sem medo de se sujar.

Como não vou me juntar a eles nesta luta de anos, pela jornada de 30h? Pois junto a minha voz à esta causa, mais do que justa: JORNADA DE 30h JÁ, sem redução de salário! E o SUS e os hospitais particulares que se virem para bancar esse custo, ele é NECESSÁRIO para a melhoria da saúde no nosso país!

Gente, é humanamente impossível ficar 24h direto, com o mesmo nível de atenção e paciência. E eles não podem errar, sabem que são vidas em risco postas em suas mãos...

E embora eu acredite mesmo que eles sejam de uma liga ultra-secreta de super-heróis, sei que na vida real também têm filhos para cuidar, pessoas doentes em suas próprias casas para tratar, contas para pagar, maridos e esposas para amar e acalentam ambições de uma vida melhor, como todo mundo. Sei que passam mais tempo com os nossos filhinhos doentes do que com os seus próprios; e sei que chegar em casa exausto, sugado até sua última gota de energia, não é justo. Eles merecem mais. Para que tenham melhores condições de trabalho, de atenção; para que tenham tempo para estudar, se especializarem ainda mais, e, quando no exercício de sua função, estejam em condições plenas para se dedicar a quem confia a vida nas mãos deles.

Vejam esse blog e o vídeo nele postado, que fofo, do filho de uma enfermeira:

http://filhosdaenfermagemsaude.blogspot.com.br/

Taí mais uma bandeira que estou levantando, com toda a convicção.

15 comentários:

  1. Não posso deixar de me emocionar com este relato...

    ResponderExcluir
  2. Val,
    vc é guerreira demais... E um exemplo a ser seguido... Imagine só, vc com um bebe para cuidar, ainda arruma tempo para fazer textos maravilhosos e que mexem com nossas emoções...
    Parabéns, por ser essa mulher de fibra e guerreira...

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Olá Val! Todo este sofrimento, angústia e esperança de vocês mexeram profundamente comigo, primeiro por que sou mãe e segundo por que tive muitas batalhas com meu filho até os 4 anos dele, hoje com 7. Não vou aqui relatar todas, nem sequer compará-las a sua, não é a intenção. A verdade é que de alguma forma quero te enviar uma palavra de conforto. Li todo o teu relato sobre a fé, e sei que não é fácil tê-la quando se vive o problema, a gente tem uma tendencia danada a ser pessimista sei-lá por que, acho que por medo. Mas te digo que nos quatro anos que venci gigantes, eu me apaguei a ela e venci. Deus pode tudo, eu recebi bençãos, milagres mesmo, e olha não sou nenhuma carola, tenho fé, muita fé. Eu acredito na vontade de Deus, e ele deu o Erik para vocês, e ele vai deixa-lo perfeito, sem nenhuma doença. Acredite vai ser assim! Nunca deixe de ter esta certeza, o medo e a angústia são nossos piores inimigos. O Erik é forte, as crianças tem essa capacidade mágica de passar por situações como esta muito melhores que nós, ele vencerá, vocês vencerão, oro e espero junto com tantos outros por esta vitória, beijo grande!

    ResponderExcluir
  4. Enfª Alessandra Pereira6 de julho de 2013 19:34

    Oi Valéria!!!
    Difícil não se emocionar ao ler estas tuas palavras que tão facilmente conseguem retratar os nossos sentimentos, nossa vida profissional, pessoal...
    Obrigada pelo carinho com a nossa categoria profissional.
    Obrigada pela disponibilidade em querer nos ajudar quando sabemos do turbilhão de emoções e informações deve estar a sua vida.
    Obrigada por também cuidar um pouquinho de nós!

    Li alguns post, e me senti motivada a explorá-lo em cada pedacinho.

    Coragem Erik, estamos juntos nesta luta também!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alessandra, querida, eu, o Erik, o Edson e a Elena, assim como nossas famílias, só temos a agradecer a ti e a todas (os) que como tu tanto cuidam de nós. Vocês merecem todo o reconhecimento do mundo. Continue assim, dando mais do que trabalho, mas fazendo da tua profissão uma vocação de amor e dedicação ao próximo. Isso te faz ser quem és de verdade: alguém muito especial. Beijos no coração!

      Excluir
  5. Nossa lindo relato Valéria, fiquei emocionada pois como profissional Técnica de Enfermagem no Inca e Enfermeira fora do Inca é exatamente assim a nossa vida, me sinto mesmo sendo da liga das super heroínas, onde a vidinha de cada uma dessas crianças e adultos que passam em minhas mãos fosse um tesouro que não podem escorrer pelos meus dedos e o reconhecimento disso não tem preço obrigada posso dizer em nome da minha categoria e saiba que assim como cuido dos meus dois filhos cuido do seu e de todas aquelas crianças amo a cada um de vcs e os coloco em minhas orações assim como minha família e nessa luta não vai haver outra alternativa se
    não ganharmos e o Erik vencerá e trará a vitória a nós tb bjs

    ResponderExcluir
  6. Sou enfermeira, e quero te agradecer IMENSAMENTE por esse depoimento, além das 30h, consições de trabalho e salários dignos, é disso que precisamos também, reconhecimento, é a maior recompensa e motivação que podemos ter! MUITO OBRIGADA!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tens o que agradecer, querida! Siga tua profissão mais do que como um trabalho diário, mas como uma vocação, onde amor, coragem e dedicação transformam todo esforço em recompensa! Beijos no coração!

      Excluir
  7. Sou acadêmica de enfermagem, me formo no final do ano e sempre quis ser enfermeira especializada em oncologia para cuidar de crianças.Parabéns pelo texto ele me inspirou e me motivou ainda mais a buscar meu sonho.Que Deus abençoe grandemente vc e seu filho.Beijos e mt obrigada pelo reconhecimento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Bruna, que tudo isso que estamos passando tenha algum sentido, ainda que seja inspirar gente sensível como você a fazer da sua profissão mais do que um trabalho, mas uma vocação. Beijos no coração!

      Excluir
  8. Me emocionei com o texto,muita saúde pro seu filho.Obrigada por entender e valorizar a nossa profissão.

    ResponderExcluir
  9. Sou enfermeira e amo o que faço, fiquei emocionada ao ler sua mensagem. Muito obrigada pelo carinho e amor que contém sua palavras. Que Deus abençoe cada dia mais a você ao Erik e toda sua família.
    Obrigada pelo reconhecimento.

    Rose

    ResponderExcluir
  10. Obrigada pela linda mensagem. Que todos saibam valorizar o nosso trabalho. Obrigada mesmo

    ResponderExcluir
  11. Lindas e acertadas palavras. Tb sou enfermeira, trabalho atualmente na Saúde da Família, antes foram 5 anos de terapia intensiva. A verdade é que se a gente quiser um salário digno precisa de vários empregos sim... mas cuidamos de vida e não podemos esmorecer... só lamento que a maioria das pessoas não entendam isso. Parabéns e obrigada a vc por levantar essa bandeira conosco!

    ResponderExcluir
  12. Obrigada pelo reconhecimento da enfermagem. Você disse tudo, precisamos de mais pessoas como você, que realmente enxerga nosso valor!!! Que Deus recupere logo a saúde do seu anjinho Erik ♡

    ResponderExcluir